Menu

                          Visite o Blog

                          Visite o Blog

Pesquisadores da Escola de Medicina de Perelman, na Universidade da Pensilvânia nos Estados Unidos, desenvolveram uma "vacina" de ação rápida que pode reverter o curso da doença em ratos, e eles esperam que ocorra o mesmo em seres humanos.

Jon Lindstrom, PhD, Professor Trustee, do departamento de Neurociências liderou o estudo, publicado na mais recente edição do Journal of Immunology, com o investigador sênior de pesquisa Jie Luo, PhD.

Pesquisadores podem induzir MG em ratos através da injeção da proteína AChR, que produz um modelo de doença animal chamado miastenia gravis auto-imune experimental (EAMG). Neste estudo, Lindstrom e Luo descobriram que injetando nos ratos a parte do AChR encontrada no interior da célula protege os animais de EAMG e inverte o curso da doença, se administrada após a EAMG já induzida.

"Temos uma terapia imunossupressora antígeno-específica que funciona no modelo animal e deve funcionar em MG humano", diz Lindstrom, acrescentando que tais terapias são "mais raro do que os dentes de galinha."

Uma dose de vacina de 1 mg por semana, durante seis semanas, segundo pesquisa da equipe, foi suficiente para impedir o desenvolvimento de EAMG crônica em ratos. Mas de forma significativa, a vacina também trabalhou após a indução de EAMG crônica, e pode bloquear a re-indução de doença meses mais tarde. A vacina parece funcionar através da prevenção da síntese de anticorpos patológicas à superfície extracelular da proteína AChR.

Embora chamada de "vacina" terapêutica de Lindstrom, não é como uma vacina para a gripe ou o sarampo. Nesses casos, a ideia é aumentar a imunidade a antígenos de doença que podem, em seguida, atacar o patogênio, deveriam infectar o corpo no futuro. No caso de MG, a vacina marca as células imunitárias que reconhecem como alvo de uma auto-proteína - o receptor de acetilcolina, o que ajuda a transmitir sinais neurais a partir de uma célula para outra - e marcá-los para a morte.

"Estamos tentando modular uma resposta imune desviante", explica Lindstrom.

O truque aqui é que a vacina não é feita a partir da porção da proteína do AChR que o sistema imunitário normalmente veria - a parte que está exposta na superfície exterior da células. Em vez disso, ele é construído usando citoplasmática da proteína ou, regiões de células internas. Esta formulação induz uma supressão robusta, específica para o antígeno da resposta imune sem também induzir-se MG. Isto pode envolver a inibição de células envolvidas na preparação de anticorpos e regulação patológicos para a resposta, mas os mecanismos exatos ainda não foram determinadas.

O laboratório de Lindstrom descreveu, pela primeira vez, a vacina em si numa publicação de 2010 no Anais de Neurologia. Mas, esse trabalho anterior não tentou bloquear ou tratar a doença crônica, e injetatou a vacina sem o uso de um coquetel químico que amplifica a resposta imunitária resultante, chamado um adjuvante. O presente estudo sugere que o emparelhamento a vacina com adjuvante é seguro - ou seja, ele não causa MG - e eficaz.

Segundo Lindstrom, o objetivo é testar esta abordagem em animais com EAMG e MG usando outros adjuvantes humanos para depois passar para ensaios clínicos humanos.

Link para o artigo original: http://medicalhealthrecords.us/researchers-develop-potential-fast-acting-vaccine-for-myasthenia-gravis/

Mais artigos a respeito (todos em inglês):