Pacientes com miastenia gravis não devem receber a vacina contra a febre amarela!

Febre Amarela, quem deve ou não tomar a vacina. Texto a seguir informa o conteúdo da imagem, que tem um desenho de mosquito e um repelente

A febre amarela é uma doença causada por vírus e transmitida por mosquitos (Aedes aegypti, o mesmo da dengue).

O vírus é mantido na natureza com sua transmissão em primatas não humanos (macacos). Os sintomas da doença são: febre alta, dor de cabeça, dores musculares, perda de apetite, náuseas e vômitos, podendo ocorrer (nas formas graves) comprometimento do fígado e dos rins, além de hemorragias.

A vacina contra febre amarela consiste em vírus vivo atenuado e é a medida de prevenção mais eficaz contra a doença. O esquema vacinal recomendado é dose única a partir dos 9 meses de idade, para residentes ou viajantes de áreas endêmicas.

Essa vacina está contraindicada nas seguintes situações:

  1. Crianças com menos de 6 meses.
  2. Pessoas com história de alergia grave (anafilaxia comprovada) a ovo de galinha, gelatina bovina ou outros componentes da vacina.
  3. Pacientes com imunossupressão grave de qualquer natureza (câncer, medicamentos, HIV).
  4. Pacientes transplantados.
  5. Pacientes com história de doenças do timo (miastenia gravis, timoma, remoção cirúrgica do timo).
  6. Pacientes com lúpus eritematoso sistêmico.
  7. Gestantes: analisar caso a caso nos surtos da doença.

Sendo assim, recomenda-se a todos que não podem tomar a vacina que se previnam usando repelentes, roupas que cubram partes expostas do corpo e que evitem matas ou áreas de risco.

Fonte: Ministério da Saúde- Febre Amarela: Guia para Profissionais da Saúde (2017).
Acesse o link (alerta sobre miastenia está na página 25): http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/febre_amarela_guia_profissionais_saude.pdf

Veja também o link da palestra proferida pelo Dr. Marcelo Annes em 20 de março de 2010 sobre o tema Vacinas X Miastenia: http://abrami.org.br/reunioes/vacinas-e-miastenia

 

Certificado Internacional de Vacinação

Algumas localidades no exterior exigem do viajante o Certificado Internacional de Vacinas.

Para casos em que a vacinação ou a profilaxia for contraindicada, o viajante deverá apresentar um Atestado Médico de Isenção de Vacinação, escrito em inglês ou francês.

Para facilitar, baixe aqui um modelo de atestado de isenção, o qual pode ser apresentado de outra forma, desde que contenha as mesmas informações.

As informações de atestados médicos contraindicando a vacinação podem ser inseridas no Sistema de Saúde para o Viajante para emissão do Certificado de Isenção de Vacinação.

No entanto, é importante esclarecer que essa forma de documentação tem a mesma validade e reconhecimento internacional que o atestado realizado por um médico em inglês ou francês.

O Regulamento Sanitário Internacional - RSI estabelece que as autoridades de saúde devem considerar esse documento, porém poderão ainda ser aplicadas outras medidas de controle pelo país de destino, conforme estabelecido no Anexo 7 do mesmo.